Óleos Vegetais

Qualifique este item
(0 votos)

Vários óleos vegetais são usados puros ou como carreadores (veículos) dos óleos essenciais. Eles diferem entre si pela proporção e composição dos ácidos graxos essenciais que os compõem, especialmente os insaturados, alguns com propriedades regeneradoras e epitelizantes. Apresentam semelhança com os lipídeos da pele, permitindo que os óleos essenciais tenham melhor absorção nna epiderme, colaborando para enriquecer os níveis de hidratação e proteção.

Óleo de abacate (Avocado)

Óleo do fruto do abacateiro (Persia americana Miller) é rico em vitaminas e constituído por glicerídeos derivados do ácido oleico. Pode ser utilizado para amaciar os cabelos, em massagens para o corpo e face, além de ser excelente para banhos.

Óleo de amêndoas (Sweet Almond oil)

Óleo da Amendoeira (Amygalus communis dulcis) contém entre 20 e 25% de protídeos, além do ácido oleico. É um excelente emoliente para o corpo, ajudando a prevenir estrias e reduzir o ressecamento das peles secas e envelhecidas.

Óleo de argan (Argania spinosa)

Esse óleo, conhecido como “ouro marroquino”, pode ser utilizado no rosto, corpo, cabelos e unhas. Por sua ação antioxidante, é um poderoso hidratante e anti-idade. O Argan tem de 80 a 90% de ácidos graxos essenciais (como Ômega 3 e Ômega 6), sua textura fina faz com que a pele o absorva quase que imediatamente, sem deixar resíduos.

Óleo de calêndula (Calendula officinalis)

O óleo de Calendula officinalis é extraído por maceração sob condições controladas. Segundo Corrêa, 2012, acelera a reepitalização, estimulando a formação de novos tecidos, tornado-se útil para acalmar a pele e em queimaduras solares por sua ação anti-inflamatória, emoliente, antissépitica, calmante e cicatrizante. Seu alto teor de ácidos graxos promove absorção rápida.

Óleo de copaíba (Copaifera officinalis)

O óleo de copaíba é obtido do tronco de várias espécies do gênero Copaífera L. (f( (família das Leguminosas) que crescem nas vastas florestas da região amazônica. Sua produção é ecologicamente correta, sem causar quaisquer danos à Floresta Amazônica. Constituído de um líquido viscoso, com um odor peculiarmente aromático, com aproximadamente 60% de óleo essencial. Segundo Corrêa, 2012, possui efeito cicatrizante e anti-inflamatório. Pode ser utilizado em tratamentos das afecções do couro cabeludo e como doador de brilho.

Óleo de gergelim (Sesamum indicum)

Também conhecido como óleo de sésamo, é utlizado há milênios na medicina indiana que o considara condutor de energia e calor, usado para absorver o prana (energia vital). Na pele é nutritivo e emoliente, rico em vitaminas A, B e C, além de alta concentração de fósforo e ferro. Na sua composição encontramos a sesamina e a sesamolina, que são antioxidantes naturais bem como o componente sesamol, absorvedor de radiação ultravioleta.

Óleo de germe de trigo (Triticum vulgare)

O óleo de germe de trigo é constituído por cerca de 50% de ácido linolênico. Apresenta ainda tocoferóis naturais que o tornam útil para prevenir o ranço dos demais óleos, bastando acrescentar 10% deste em qualquer mistura de óleos vegetais e óleos essenciais. É um conservante natural das misturas. Proporciona efeito protetor à pele reduzindo o envelhecimento cutâneo.

Óleo de girassol (Helianthus annus)

Seu óleo é obtido por prensagem à frio de seu fruto maduro. Tem ação reepitelizante e emoliente, podendo ser usado em esfoladuras. Junto com o óleo essencial de lavanda, ajuda na regeneração das peles rachadas, ásperas ou desidratadas, contribuindo para a restauração da função de barreira do estrato córneo.

Óleo de jojoba (Simmondsia chinensis)

Na realidade a jojoba não é um óleo, mas sim uma cera líquida que não fica rançosa. Sua composição química é de grande compatibilidade com a pele humana, contribuindo com a manutenção do manto hidrolipídico normalizado. Pode ser usado em qualquer tipo de pele. É eficiente nos tratamentos capilares, pois funciona eliminando os acúmulos seborreicos do couro cabeludo, deixando-o livre para o crescimento de novos fios.

Óleo de rosa mosqueta (Rosa rubiginosa)

A Rosa Mosqueta tem origem asiática e sua fruta contém múltiplas sementes, muito utilizadas no passado para fazer o óleo. Atualmente, é obtido pela extração subsequente ao refino da folha da planta produzindo um óleo claro e inodoro. Pode conter mais de 80% de ácidos graxos não saturados, especialmente linolênico e ácido linoleico, e ainda conter de 0,24 a 1,25% de vitamina C, dependendo da época de colheita da planta. Utilizado em massagens faciais diárias nas peles envelhecidas, ajuda a suavizar as linhas de expressão e retarda o envelhecimento prematuro. Abranda cicatrizes e manchas.

Óleo de semente de uva (Vitis vinifera)

É um óleo muito usado em massagens, pois é muito fluido, leve e inodoro. É tonificante, regenera e revitaliza a pele. Segundo Corrêa, 2012, os ácidos linoleico e palmítico de sua composição são responsáveis pela manutenção e regeneração do tecido cutâneo. É também de grande utilidade na prevenção de estrias devido a sua alta concentração de alfa-tocoferol (vitamina E).


Copyright © éCriativos Soluções Web